Music -- Lounge

Agosto 11 2011

O cardápio musical no festival Sudoeste nunca é dos melhores. Este ano não foi excepção. Contudo, The National, dEUS, Interpol e Kanye West lá safaram a carência qualitativa global do festival.

 

[+] Os dEUS, relegados para o palco secundário (heresia!), transformaram a actuação num vendaval rock, que só por estar a acontecer no local em questão é que não ganhou contornos inesquecíveis. Tom Barman, o vocalista, rockeiro à antiga, entrou disposto a causar o caos tocando a guitarra nos limites da violência. A ligação da banda com o nosso país é, desde há muito tempo, muito forte e foi disso mesmo que se socorreram para convocar todos os presentes a alinharem no turbilhão com que a actuação se tornou. A hipnótica "Bad Timing" (favorita aqui deste lado), a irresistível "Instant Street", a doce "Nothing Really Ends" e a caótica "Suds & Sodas" não faltaram à festa e foram os pontos altos. A banda aproveitou, ainda, para dar a conhecer duas músicas novas que deixaram muito boas indicações para o novo álbum que deverá chegar no Outono.

 

[+] Depois, houve Kanye West. Fora dos meus gostos, acabou por surpreender pelo espectáculo montado. A verdade é que a cada início de uma nova música se tornava impossível não acompanhar os ritmos que vinham do palco. As músicas são, todas elas, bem estruturadas, como mandam as regras, aliando as batidas a refrões efusivos e fáceis de acompanhar. "Flashing Lights" e "Touch the Sky" acabaram por ser os momentos mais interessantes da actuação. Boa surpresa.

 

 [+] Os Interpol, que chegaram com um atraso de 30 minutos, enfrentaram uma plateia a meio-gás (heresia, pt.2). Facto curioso: olhando em volta, a média de idades do público presente era bem mais alta do que no que se tinha visto no resto do festival. Desde 2007 que não os via ao vivo e as saudades já apertavam. A actuação foi curta e fria mas nem por isso deixaram de dar um bom concerto. Para isso, muito contribuiu a boa qualidade do som. Momento da actuação aconteceu com "Hands Away", a preferida e algo esquecida nos concertos, e ainda com "Leif Erikson", ambas do imaculado "Turn On The Bright Lights". No fim, o concerto serviu como um abraço de alguém que já não vemos há muito tempo e que nos conforta mas que esperamos não estar tanto tempo à espera para um novo encontro.

 

[+] Por fim, os The National. Ao 6º concerto, terá sido o mais morninho que vi. Não tanto por culpa da banda mas do público. Recinto bem mais composto mas, por incrível que pareça, apenas porque já havia muita gente a ganhar posição para uns tais de Swedish House Mafia (que viria mais tarde a ficar a conhecer a música «chunga-de-carrinhos-de-choque-temperada-com-azeite» desta banda(?)). O concerto dos National não variou muito do que tinham feito em Maio, no Coliseu do Porto. Contudo, a juntar à ausência de Padma, o senhor do violino, desta vez também um dos elementos da secção de sopro estava ausente - se não me engano está em digressão com os Beirut. Estas duas ausências acabaram por se fazer notar, sobretudo durante a Fake Empire, England ou Cardinal Song onde as músicas perderam claramente fôlego. Ainda assim, a banda deixa sempre um miminho especial e diferente e, desta vez, foi a inclusão da fantástica "Son" do primeiro álbum da banda. Deu ainda tempo para despentear o Matt na sua habitual incursão pelo meio do público. Dadas as circunstâncias, valeu a pena.

 

[-] Todos os anos é a mesma coisa. É um festival com mau ambiente, mau público, roubos no campismo, barulhos de concertos em palcos alheios, etc. A solução passa por uma atitude autista, fechando-nos no nosso mundo e tentar esquecer o antro onde estamos metidos. Para juntar a isto, há ainda a nova moda de transformar um concerto num café, com conversas, gargalhadas, fotografias e que está a crescer a uma velocidade assustadora e que já no Super Bock Super Rock tinha acontecido. Para a semana há Paredes de Coura e espero que lá ainda se mantenha o respeito pela música. Pelo menos é assim que conheço Coura.

 

publicado por music--lounge às 15:16

No Palm Springs Resort não houve roubos, nem mau ambiente... apenas pessoas bem alcoolizadas! :D
Out_cubus a 15 de Agosto de 2011 às 12:16

Sala de estar onde a musica entra por todo o lado
hilikus@Lounge
subscrever feeds
Posts
Mixcloud Podcasts
Alta Rotação
Arcade Fire - Reflektor

Arctic Monkeys - AM
Palavras...
"My main musical influences? Love, anger, depression, joy and dreams......and zeppelin!" - Jeff Buckley
pesquisar
 
arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Visitas
blogs SAPO